Principal fonte de financiamento para a cultura no estado, o Fundo de Cultura da Bahia chega a 2014 com número recorde de projetos apoiados. Das artes visuais à música, das culturas populares e identitárias às digitais, passando pela dança, o teatro e pela formação e qualificação em cultura, os 396 projetos selecionados receberão um investimento total de R$ 31,4 milhões. Juntos, eles fortalecem o compromisso da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia em dialogar com as mais diversas expressões e grupos culturais em todos os territórios do estado.

Este ano, as duas grandes novidades foram a possibilidade de um edital simplificado para as Culturas Populares e um edital específico para Grupos e Coletivos. O primeiro, permitiu a inscrição de questionários em meio impresso, em áudio ou vídeo e teve grande número de inscritos. Já o edital de Grupos e Coletivos reconhece que a dinâmica de grupos merece um tratamento especial, de apoio plurianual. Apesar de ser aberto a qualquer área, houve uma predominância de projetos na área de teatro e dança, nos quais há tradição de apoio a grupos e coletivos.

Este é o terceiro ano que os editais adotam o modelo setorial ou ligado a temas transversais, como formação e territórios culturais. O modelo permite maior liberdade de proposição, simplificação no formato de apresentação de propostas e seleção por profissionais da Bahia e outros estados de reconhecida atuação em seu campo. Importante destacar o crescimento das inscrições pela internet, que saltaram de 37% em 2013 para 60% em 2014.

Projetos Selecionados FCBA 2014 por Edital:

Apoio a Grupos e Coletivos Culturais

O Edital de Apoio a Grupos e Coletivos Culturais abrange as áreas de Artes Integradas, Artes Visuais, Audiovisual, Circo, Culturas Digitais, Culturas Identitárias, Culturas Populares, Culturas Urbanas, Dança, Design, Literatura, Música e Teatro. Apoia pelo período de dois anos a grupos e coletivos culturais – base organizativa formada por artistas, agentes culturais e técnicos que realizam um trabalho continuado, a partir de uma proposta cultural e/ou princípios estéticos norteadores que os identifica como tal – que desenvolvam trabalho continuado há, no mínimo, três anos no estado da Bahia. O apoio poderá ser renovado por mais dois anos.

Valor global: R$ 3.920.000,00 (para período de dois anos)

Teto de apoio por proposta:
CATEGORIA 1: Até R$ 400.000,00 por dois anos
CATEGORIA 2: Até R$ 200.000,00 por dois anos



Seleção
Nessa retomada de um concurso específico para grupos, o edital passa a abarcar diversos setores culturais. Os projetos inscritos, no entanto, não exploraram tanto quanto possível a diversidade da abrangência do concurso. A maioria das inscrições (19 dos 35 inscritos) foi proveniente dos setores de dança e teatro, e algumas áreas – como Culturas Digitais, Culturas Identitárias, Design e Literatura – não tiveram inscrições efetivas.
O Edital de Grupos e Coletivos também foi um dos que mais tiveram projetos desclassificados na análise prévia: das 72 propostas apresentadas, apenas 35 foram efetivamente inscritas, revelando necessidade de maior instrução sobre os documentos exigidos para este edital. Além disso, dentre os inscritos finais, algumas propostas se enquadravam em impedimentos previstos na minuta, como projetos de fanfarras e grupos de capoeira, mais uma vez diminuindo a lista de concorrentes. Já em termos de adequação ao objeto do edital, a comissão avaliou que boa parte das propostas não atendia satisfatoriamente ao mesmo, configurando projetos de eventos pontuais realizados por grupos, ou de pouco potencial de desenvolvimento do grupo proponente, e até mesmo de grupos que não comprovaram sua existência contínua pelo período determinado no concurso, outra vez sinalizando a importância de orientações mais específicas sobre as características deste edital para que se possa qualificar a participação dos proponentes e ampliar seu potencial de apoio a este segmento fundamental da produção artístico-cultural.

Desta maneira, o aporte financeiro disponível para o edital foi suficiente para a contemplação completa das propostas qualificadas e aptas, com 11 selecionadas e sem suplentes, sendo oito de Teatro, duas de Dança e uma de Cultura Popular. São projetos de Lauro de Freitas e Salvador (Metropolitano de Salvador), Monte Santo (Sisal) e Rio de Contas (Chapada Diamantina).
A comissão considerou que o resultado final garantirá a realização de projetos muito relevantes e de grande contribuição para a manutenção e desenvolvimento do trabalho de grupos e coletivos baianos.



Conheça a Comissão

Paula Berbert: Assessora de Comunicação da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Alexandre Molina: Artista da dança, educador e gestor cultural. É professor do Curso de Dança da Universidade Federal de Uberlândia, integra o Coletivo Construções Compartilhadas (BA) e a Associação de Profissionais de Dança de. Mestre e Especialista em Dança pela UFBA, é doutorando em Artes Cênicas pela mesma instituição. Trabalhou na FUNCEB de 2007 a 2013, tendo assumido como último cargo o de Diretor das Artes.

Dulce Maltez: Atuou em eventos e organizações culturais na Europa, Estados Unidos e Brasil, entre eles Sonar (Barcelona), Siggraph (Los Angeles), Festival Internacional de Artes Eletrônicas SESC_Videobrasil, Bienal de Artes de São Paulo e Festival Internacional de Música de Campos do Jordão. Desde 2009, dedica-se à gestão artística de música contemporânea, com destaque para o grupo Camerata Aberta. É Mestre em Design para Mídia Interativa, pela Middlesex University, de Londres.

Fernando Yamamoto: Um dos fundadores do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare. Pelo grupo, dirigiu vários espetáculos. Tem outras diversas experiências em direção, assistência de direção, coordenação de projetos e dramaturgia. Atualmente, é diretor do Departamento de Programas, Projetos e Eventos Culturais da Fundação Capitania das Artes/Prefeitura do Natal. Gilberto Monte: Fromado em Composição e Regência pela UFBA. Fundador da IN-VENTO, investe no design de estratégias e conteúdos a partir do trabalho colaborativo entre profissionais das mais diversas áreas de criação. Atua no âmbito da Economia Criativa e do Empreendedorismo Sociocultural. Coordenou por quatro anos a área de arte e tecnologia do Instituto Eletrocooperativa e, de 2007 a 2011, foi responsável pela Diretoria de Música da FUNCEB.

Gilberto Monte: Fromado em Composição e Regência pela UFBA. Fundador da IN-VENTO, investe no design de estratégias e conteúdos a partir do trabalho colaborativo entre profissionais das mais diversas áreas de criação. Atua no âmbito da Economia Criativa e do Empreendedorismo Sociocultural. Coordenou por quatro anos a área de arte e tecnologia do Instituto Eletrocooperativa e, de 2007 a 2011, foi responsável pela Diretoria de Música da FUNCEB.

Jamira Alves: Coordenadora do Espaço Cultural Alagados, em Salvador, é ativista de movimentos culturais comunitários, periféricos e negros. Pedro Augusto Dias: Compositor, arranjador e instrumentista premiado. Doutorando em Composição pela UFBA e Professor Assistente da mesma instituição. Atuou como instrumentista, arranjador e/ou diretor musical em diversos grupos e com variados artistas.

Gilberto Monte: Fromado em Composição e Regência pela UFBA. Fundador da IN-VENTO, investe no design de estratégias e conteúdos a partir do trabalho colaborativo entre profissionais das mais diversas áreas de criação. Atua no âmbito da Economia Criativa e do Empreendedorismo Sociocultural. Coordenou por quatro anos a área de arte e tecnologia do Instituto Eletrocooperativa e, de 2007 a 2011, foi responsável pela Diretoria de Música da FUNCEB.

Pedro Augusto Dias: Compositor, arranjador e instrumentista premiado. Doutorando em Composição pela UFBA e Professor Assistente da mesma instituição. Atuou como instrumentista, arranjador e/ou diretor musical em diversos grupos e com variados artistas.


Números do Edital de Apoio a Grupos e Coletivos Culturais:


(Dados por origem do proponente)
Apoio a Grupos e Coletivos Culturais Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 35 18 51,4% 17 48,6%
Projetos Selecionados 11 8 72,7% 3 27,3%

Artes Visuais

O Edital Setorial de Artes Visuais apoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos, tendo como objeto predominante as artes visuais. Abrange, por exemplo, propostas de instalação e manutenção de ateliês coletivos; curadoria e montagem de exposição; pesquisa artística e crítica sobre artes visuais, sua memória e suas interfaces; formação e/ou qualificação para artistas, técnicos, críticos de arte, curadores e outros agentes da área; realização de seminários,fóruns, palestras sobre artes visuais e suas interfaces; realização de mostras, feiras e atividades do gênero; circulação regional e/ou nacional de exposições; interações com outras expressões artísticas(intervenções urbanas, performances, entre outras);intercâmbio de ações artísticas entre territórios de identidade do estado da Bahia; publicação ou reedição e distribuição de catálogos, livros, ensaios fotográficos e revistas especializados; criação e/ou manutenção de sites da área; pesquisa artística e crítica sobre artes visuais, sua memória e suas interfaces; entre outras possibilidades.

Valor global: R$ 1.000.000,00
Teto de apoio por proposta: R$ 150.000,00,



Seleção

Com aporte financeiro total de R$ 1 milhão, com teto de R$ 150 mil por projeto, o Edital Setorial de Artes Visuais teve 130 propostas inscritas. No resultado, 16 foram selecionadas, oriundas dos municípios de Cachoeira (Recôncavo), Capim Grosso (Piemonte da Diamantina), Porto Seguro (Costa do Descobrimento), Salvador (Metropolitano de Salvador) e Vitória da Conquista (Vitória da Conquista). Outros 10 projetos ficaram como suplentes, cinco da capital e cinco de outras cidades.

Devido à composição heterogênea da comissão responsável pela seleção, pôde-se ter uma discussão rica que resultou numa seleção plural de projetos, abarcando diferenciadas áreas das artes visuais e de naturezas diversas, como criação, memória, pesquisa, difusão e formação.O número de projetos oriundos do interior da Bahia foi relevante e, dentre os selecionados, destacaram-se propostas com qualidade dos elos de formação e memória.A discussão sobre a cultura nordestina e questões religiosas tiverampresença importante nas temáticas apresentadas.



Conheça a Comissão:

Elaine Pinho: Coordenadora de Artes Visuais da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Elias Santos: Graduado em Artes Plásticas pela UFBA, é artista premiado. Participou de diversas exposições coletivas no Brasil e no exterior e realizou quatro exposições individuais.
Giovana Dantas: Artista plástica, curadora e professora, explora materiais e técnicas diversas, como a fotografia, nas suas formas pura ou híbrida, misturada à pintura, passando pela construção de objetos, instalações, experimentações em vídeo. É graduada em Artes Visuais e Doutora em Artes Cênicas pela UFBA.

Lucimar Bello: Artista plástica premiada, vive e trabalha em São Paulo. Realizou e/ou participou de exposições individuais e coletivas no Brasil, Argentina, Chile, Portugal, Espanha, Japão, Cuba, China. É doutora em Artes pela USP, pós-doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP e pós-doutora no Núcleo de Subjetividade da PUC/SP.

Maria Beatriz de Medeiros: Doutora em Arte e Ciências da Arte pela Universite de Paris I (Pantheon-Sorbonne) e pós-doutora em Filosofia no CollègeInternational de Philosophie, Paris. É professora da Universidade de Brasília. Atua principalmente nos temas: arte contemporânea, arte e tecnologia, arte e performance, composição urbana.

Maurício Adinolvi: Artista e professor, com formação em Filosofia, Desenho, História da Arte Moderna, trabalha entre Santos e São Paulo. É mestrando do Instituto de Artes da Unesp. Realizou exposições individuais no Brasil e exterior. Participou de dezenas de exposições coletivas, bolsas, residências, projetos, catálogos e publicações.

Rogério Ferrari: Natural de Ipiaú-Bahia, trabalha como fotógrafo independente, desenvolvendo o projeto Existências-Resistências. Mestrando em Antropologia, evidencia, através da publicação de livros, debates, oficinas e exposições fotográficas, temas e conflitos sociais.


Números do Edital de Artes Visuais:


(Dados por origem do proponente)
Números do Editalde Artes Visuais Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 130 76 58,5% 54 41,5%
Projetos Selecionados 16 12 75% 4 25%

Audiovisual

O Edital Setorial de Audiovisualapoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos, tendo como objeto predominante o audiovisual. Abrange, por exemplo, distribuição de filmes de curta e longa-metragem; constituição de redes de distribuição e circuitos de exibição de obras audiovisuais; portais de difusão de obras audiovisuais; catálogos e publicações promocionais do audiovisual baiano; projetos de festivais e mostras de cinema e audiovisual; dinamização e criação de cineclubes; desenvolvimento de roteiro e de projeto executivo, incluindo “bíblia” de animação; produção de filmes e conteúdos audiovisuais(inclusive para TV e multiplataformas); finalização de filmes e obras; realização de oficinas, cursos, pesquisas, seminários e projetos relacionados com a formação técnica e/ou estética e/ou de linguagem, voltados para iniciantes e/ou profissionais; pesquisas sobre a preservação da memória do cinema e do audiovisual baiano, cujos resultados sejam disponibilizados para o público, através da criação de site específicoe/ou livros e/ou DVDs; propostasdestinadas a estruturar, diagnosticar, restaurar, recuperar e sistematizar acervos audiovisuais da Bahia; entre outras possibilidades.

Valor global: R$ 6.500.000,00
R$ 1.500.000,00 para produção de longa-metragem e outros formatos de longa duração
Até R$ 300.000,00 para outras propostas


Seleção

Com aporte financeiro total de R$ 6,5 milhões, com teto de R$ 1,5 milhão para produção de longa-metragem e outros formatos de longa duração, e de R$ 300 mil para outras propostas, o Edital Setorial de Audiovisual teve 345 propostas inscritas. No resultado, 56 foram selecionadas, oriundas dos municípios de Feira de Santana (Portal do Sertão), Ipiaú (Médio Rio de Contas), Irecê e Lapão (Irecê), Itabuna (Litoral Sul), Juazeiro (Sertão do São Francisco), Lauro de Freitas e Salvador (Metropolitano de Salvador), Quijingue (Sisal), Santo Antonio de Jesus e São Félix (Recôncavo) e Vitória da Conquista (Vitória da Conquista). Outros 25 projetos ficaram como suplentes, 18 da capital e sete de outras cidades.



Conheça a Comissão:

Marcondes Dourado: Diretor de Audiovisual da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Esmon Vieira Primo: Idealizou, coordena e produz o programa Janela Indiscreta Cine-Vídeo UESB, desde 1992. Trabalhou na Secretaria Municipal de Cultura de Vitória da Conquista. Atua na área do audiovisual e realiza diversos projetos na área.

Fernando Belens: Diretor de teatro e cinema premiado, fez parte da chamada Geração Super-8, onde produziu e dirigiu vários filmes. Foi membro do grupo Lumbra, junto a Edgard Navarro, Pola Ribeiro e José Araripe.

Gustavo Spolidoro: Mestre em Comunicação Social pela PUC/RS, dirigiu e roteirizou 17 curtas e médias e três longas, tendo recebido mais de 70 prêmios no Brasil e exterior e participado de festivais como Berlim, Rotterdam e Sundance.

Isabela Cribari: Produtora e gestora cultural, sócia da SET Produções Audiovisuais, tem pós-graduação em Economia da Cultura e em Produção e Gestão Cultural. Tem 18 anos de experiência em televisão e cinema brasileiros.

José Araripe Junior: Roteirista e diretor, realizador premiado. Graduado em Artes Plásticas e especialista em Cinema pela UFBA. Trabalhou na TV Brasil e trabalha na TVE-BA.

Marcelo Ikeda: Professor efetivo do Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Comunicação pela UFF, com Especialização em Regulação da Atividade Cinematográfica e Audiovisual pela UFRJ. Crítico de cinema, curador, organiza mostras e festivais de cinema.

Marcelo Pedroso Holanda de Jesus: Jornalista, mestre em Cinema pela UFPE. Diretor, roteirista e montador.

Silas José de Paula: Graduado em Comunicação Social, tem doutorado em Social SciencesDepartment pela LoughboroughUniversity, Inglaterra. É professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). Pesquisador nas linhas de cibercultura, fotografia e audiovisual.


Números do Edital de Audiovisual:


(Dados por origem do proponente)
Números do Editalde Artes Visuais Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 345 225 65,2% 120 34,8%
Projetos Selecionados 56 36 64,3% 20 35,7%

Circo

O Edital Setorial de Circoapoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos, tendo como objeto predominante o circo.Abrange, por exemplo, propostas de criação e/ou circulação regional e/ou nacional de espetáculos circenses; criação e confecção de aparelhos; manutenção de temporada de espetáculos; atividades continuadas de grupos artísticos; formação e/ou qualificação para artistas, técnicos e agentes da área; pesquisa artística e crítica sobre circo, sua memória e suas interfaces; constituição, manutenção, digitalização, restauração e/ou difusão de acervos da área; publicação ou reedição e distribuição de livros, catálogos e revistas especializadas; realização de seminários, fóruns, palestras sobre circo e suas interfaces; festivais, mostras e atividades do gênero; entre outras possibilidades.

Valor global: R$ 700.000,00
Teto de apoio por proposta: R$ 90.000,00



Seleção

Para o Edital Setorial de Circo, foram disponibilizados R$ 700 mil para projetos de até R$ 90 mil. Foram inscritas 43 propostas, das quais 12 foram selecionadas, a maioria do interior da Bahia. Elas são oriundas das cidades de Dias d’Ávila, Lauro de Freitas e Salvador (as três do Território Metropolitano de Salvador), Eunápolis e Porto Seguro (ambas da Costa do Descobrimento), Guanambi (Sertão Produtivo), Ibicoara (Chapada Diamantina) e Jequié (Médio Rio de Contas). Nove projetos ficaram como suplentes. A diversidade de segmentos circenses representada na composição da comissão foi de fundamental importância para que tenham sido selecionadas propostas que atendem à pluralidade da atividade circense, de diferentes territórios de identidade. Na comissão, havia pesquisadores nas áreas de circo-teatro, circo itinerante, gestão circense, palhaçaria, circo social, dentre outros elos.

O cenário de propostas concorrentes foi bem avaliado, o que acirrou ainda mais a seleção. A comissão reafirmou a necessidade de um aporte financeiro maior para este setor, sobretudo por conta do notório crescimento e visibilidade da atividade circense nos últimos anos, o que ficou claro através da dificuldade em definir titulares e suplentes frente a um panorama de propostas bem escritas, criativas e extremamente relevantes para o fomento do circo na Bahia



Conheça a Comissão:

Vika Menezes:Coordenadora do Núcleo de Artes Circenses da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Fátima Pontes: Coordenadora executiva e artística da Escola Pernambucana de Circo.

Marlene Querubim: Diretora artística e produtora do Circo Spacial há mais de 25 anos. Faz parte da União Brasileira de Circos, defendendo as políticas culturais voltadas para as atividades circenses no Brasil.

Reginaldo Carvalho: Licenciado em Pedagogia pela UNEB e em Teatro pela UFBA, temespecialização em Arte-Educação pela Universidade Católica de Minas Gerais e mestrado em Artes Cênicas pela UNEB. Atualmente, é professor auxiliar da UNEB. Atua principalmente como pesquisador de Circo-Teatro e Melodrama, e em Educação, com ênfase em Pedagogia, nos temas de arte-educação e teatro-educação.

Williams Santana: É artista, mais conhecido como palhaço Chicó, atuando em diversos circos de Pernambuco. Foi contemplado pelo Prêmio Carequinha (Funarte) para realizar uma pesquisa junto aos circos itinerantes do Nordeste. Também já fez parte da Comissão de Seleção do referido prêmio.

Números do Edital Circo:


(Dados por origem do proponente)
Números do Edital Circo Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 43 20 46,5% 23 53,5%
Projetos Selecionados 12 5 41,7% 7 58,3%

Culturas Digitais

Apóia propostas ou atividades que promovam o desenvolvimento da cultura digital na Bahia.

Valor global: R$ 1 milhão
Teto de apoio por proposta: R$150 mil



Seleção
Este ano, 85 projetos foram inscritos, ou seja, considerados aptos para concorrer à seleção de mérito. A maioria é de proponentes que residem na Região Metropolitana de Salvador, no entanto as propostas inscritas também possuem foco de atuação no interior do estado. O setor de desenvolvimento de games e aplicativos destacou-se devido ao grande número de propostas inscritas e à qualidade técnica das mesmas.



Conheça a Comissão

Diogo Carvalho: Coordenador

Marcos Roberto Martins dos Santos: Graduado em Comunicação Social com habilitação em Produção Cultural e Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia, foi Diretor de Cultura da Prefeitura Municipal da Irará e presidente da Casa de Cultura de Irará.

Vanessa Brasil Campos Rodriguez: Graduada em Publicidade e Propaganda e em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. É doutora em Ciencias de la Información pela Universidad del Pais Vasco e professora titular da disciplina "Teorias da Imagem" da Universidade Salvador (Unifacs).

Números do Edital de Culturas Digitais:


(Dados por origem do proponente)
Projetos apresentados Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos apresentados 92 57 61,96% 35 38,04%
Projetos inscritos 85 56 65,88% 29 34,12%
Projetos selecionados 12 6 50,00% 6 50,00%

Culturas Identitárias

Apoia propostas culturais que tenham por objetivo a preservação e a promoção das culturas identitárias afrobrasileira, cigana, indígena, LGBT, sertaneja, de gênero e etária (infância, juventude e idoso), entre outras.

Valor global: R$ 1 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 50 mil



Seleção
O Edital de Culturas Identitárias é um dos mais complexos do Fundo de Cultura, pois abrange diferentes segmentos culturais, com diferentes demandas e especificidades. A Comissão formada realizou o delicado trabalho de tentar contemplar quase todos os diferentes tipos de culturas abarcados neste edital. Dessa forma, há projetos selecionados nas áreas de cultura afrobrasileira, indígena, LGBT, sertaneja, de gênero e etária – projetosvoltados para o público infantil, jovem e idoso. Assim como a diversidade de temas e segmentos, foram aprovados projetos das diferentes áreas da cadeia produtiva cultural e de múltiplas linguagens, como teatro,audiovisual, dança e música, entre outros.



Conheça a Comissão

Edilene Kiriri: Professora de escola indígena, graduanda da Universidade do Estado da Bahia e co-organizadora do 1º Encontro de Mulheres Indígenas Kiriri no município de Banzaê em 2013. Militante das causas indigenistas.

Harley Henriques do Nascimento: Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia, fundador do Grupo de Apoio a Prevenção a Aids da Bahia (GAPA), é atualmente o Coordenador Geral desta instituição.

Maurício Lídio (coordenador da comissão): Graduadoem Produção em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal da Bahia e especializado em Linguagens e Mídias Audiovisuais pela Unijorge. É cineasta e trabalha no Centro de Culturas Populares e Identitárias da SecultBA desde 2012.

Nivalda Costa: Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia, com Especialização em Antropologia pela UFBA e Especialização em Relações Públicas pela Universidade do Estado da Bahia. É também graduada em Formação de Ator pelo Depto. de Teatro da UFBA.

Pedro Moraes: Graduado em Letras Vernáculas com Inglês pela Universidade Católica do Salvador, é mestre em História Social e doutor pelo Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade da UFBA, onde desenvolve pesquisa sobre capoeira, cultura e globalização.

Ricardo Nazazi: Graduado e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente, é professor da Faculdade Anísio Teixeira e técnico administrativo da UFBA. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Religião.

Vilson Caetano: Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001), é pós-doutor pela Universidade Julio Mesquita - UNESP. Atualmente, é professor adjunto da Escola de Nutrição da Universidade Federal da Bahia, onde desenvolve pesquisas sobre Alimentação e Cultura.


Números do Edital de Culturas Identitárias:


(Dados por origem do proponente)
Projetos apresentados Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos apresentados 152 56 36,84% 96 63,16%
Projetos inscritos 118 43 36,44%% 75 63,56%
Projetos selecionados 24 10 41,67% 14 58,33%

Culturas Populares - Versão Padrão

Apoia propostas culturais protagonizadas por mestres, grupos e instituições que visem o fortalecimento das manifestações tradicionais populares voltadas à preservação, circulação, difusão e registro da diversidade cultural existente na Bahia.

Valor Global: R$ 500 mil
Teto de apoio por proposta: R$ 35 mil



Seleção
Este ano, o edital de Culturas Populares - versão padrão teve o valor de apoio reduzido, devido à divisão de verba com a sua modalidade simplificada. O nível das propostas aumentou, tornando o processo de seleção mais complexo. Com o objetivo de fortalecer e preservar as manifestações tradicionais da cultura popular baiana, foram contemplados projetos de diferentes Territórios de Identidade, totalizando 17 propostas selecionadas.



Conheça a Comissão

Cláudio Mendes Oliveira: Graduado em Turismo pelas Faculdades Olga Mettig/ Faculdade de Turismo da Bahia, com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Ruy Barbosa. É gestor cultural, ator e diretor de teatro. Também é produtor e diretor do grupo Zambiapunga.

Cristina da Costa e Sá Siqueira Santos: Bibliotecária, especializou-se em Gestão Pública com ênfase em Cultura Popular, tendo como objeto de estudo as Manifestações Tradicionais Populares. Trabalhou na seção de Dança Tradicional Popular da FUNCEB.

Elisângela Santos: Ex-secretária e coordenadora de Cultura de Camaçari. Atual coordenadora do Teatro da Cidade Saber, em Camaçari. Profissional atuante na área de Gestão Cultural no setor público, com experiência em produção, elaboração de projetos, coordenação cultural, conferências de cultura, Sistemas e Planos de Cultura.

Neila Maciel: Graduada em Artes Plásticas pela UFBA, especializada em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela Faculdade São Bento, é mestre em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFBA e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFBA.

Sueli Ribeiro (Coordenadora): Graduada em Teatro pela Universidade Federal da Bahia, foi analista de Assuntos Culturais da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia - Fundação Cultural do Estado da Bahia. Trabalhou no Núcleo de Culturas Populares e Identitárias da SecultBA.


Números do Edital de Culturas Populares - Versão Padrão:


(Dados por origem do proponente)
Números do Editalde Artes Visuais Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 130 76 58,5% 54 41,5%
Projetos Selecionados 16 12 75% 4 25%

Culturas Populares - Versão Simplificada

Uma das novidades dos editais do Fundo de Cultura da Bahia em 2014, a versão simplificada do edital de Culturas Populares objetiva possibilitar uma participação mais democrática e acessível de propostas culturais protagonizadas por mestres, grupos e instituições que visem o fortalecimento das manifestações tradicionais populares voltadas à preservação, circulação, difusão e registro da diversidade cultural existente na Bahia.

Valor Global: R$ 500 mil
Teto de apoio por proposta: R$ 15 mil



Seleção
Este ano, houve um grande avanço no edital de Culturas Populares: foi lançada a sua versão simplificada, que facilita e alcança públicos de diversos Territórios de Identidade da Bahia, como os mestres e grupos que têm dificuldade de se inscrever no formato padrão deste edital. Com a facilitação do formato, e com a possibilidade para inscrição das propostas por vídeos, texto e arquivo de áudio, foram inscritos 115 projetos. Outra característica positiva deste formato é que as propostas alcançavam mais os próprios "fazedores" da cultura, diminuindo a participação dos intermediários.
Nesta primeira edição, foram selecionadas 36 propostas, contemplado cerca de 15 diferentes Territórios de Identidade, além de terem sido escolhidas propostas que visam à preservação, circulação, difusão e registro das diversas manifestações tradicionais populares existentes na Bahia.



Conheça a Comissão

Cláudio Mendes Oliveira: Graduado em Turismo pelas Faculdades Olga Mettig/ Faculdade de Turismo da Bahia, com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade Ruy Barbosa. É gestor cultural, ator e diretor de teatro. Também é produtor e diretor do grupo Zambiapunga.

Cristina da Costa e Sá Siqueira Santos: Bibliotecária, especializou-se em Gestão Pública com ênfase em Cultura Popular, tendo como objeto de estudo as Manifestações Tradicionais Populares. Trabalhou na seção de Dança Tradicional Popular da FUNCEB.

Elisângela Santos: Ex-secretária e coordenadora de Cultura de Camaçari. Atual coordenadora do Teatro da Cidade Saber, em Camaçari. Profissional atuante na área de Gestão Cultural no setor público, com experiência em produção, elaboração de projetos, coordenação cultural, conferências de cultura, Sistemas e Planos de Cultura.

Neila Maciel: Graduada em Artes Plásticas pela UFBA, especializada em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela Faculdade São Bento, é mestre em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFBA e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo - UFBA.

Sueli Ribeiro (Coordenadora): Graduada em Teatro pela Universidade Federal da Bahia, foi analista de Assuntos Culturais da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia - Fundação Cultural do Estado da Bahia. Trabalhou no Núcleo de Culturas Populares e Identitárias da SecultBA.


Números do Edital de Culturas Populares - Versão Simplificada:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 130 17 13,08% 113 86,92%
Projetos Inscritos 117 17 14,53% 100 85,47%
Projetos Selecionados 36 2 5,56% 34 94,44%

Dança

Uma das novidades dos editais do Fundo de Cultura da Bahia em 2014, a versão simplificada do edital de Culturas Populares objetiva possibilitar uma participação mais democrática e acessível de propostas culturais protagonizadas por mestres, grupos e instituições que visem o fortalecimento das manifestações tradicionais populares voltadas à preservação, circulação, difusão e registro da diversidade cultural existente na Bahia.

Valor global: R$ 1.500.000,00
Teto de apoio por proposta: R$ 150.000,00



Seleção
No edital setorial de Dança, o valor global disponibilizado foi de R$ 1,5 milhão, com limite de R$ 150 mil por proposta. Foram inscritas 115 propostas, das quais 17 foram selecionadas. São projetos de Itacaré (Litoral Sul), Juazeiro (Sertão do São Francisco), Lapão (Irecê), Lençóis e Palmeiras (ambas da Chapada Diamantina), Salvador e Simões Filho (Metropolitano de Salvador), São Félix (Recôncavo) e Valença (Baixo Sul). Os suplentes formam uma lista de 18 projetos.
O processo de seleção se deu considerando, além das diretrizes e critérios estabelecidos, as diversas realidades, naturezas e desejos de realização do setor, num trabalho minucioso, de forma a contemplar os elos da rede produtiva da dança de maneira democrática. O resultado representa a potência das proposições dos agentes culturais da dança. Houve um equilíbrio entre os elos contemplados, com destaque ao aumento de propostas ligadas à memória.
Outro dado relevante que merece ser registrado é a equivalência entre a concorrência oriunda da capital e de outras cidades, o que se reflete no resultado, dividido, quantitativamente, praticamente em partes iguais. No ano passado, a participação de propostas concorrentes do interior foi de 30,9%. Neste ano, chegou a 51,3%.



Conheça a Comissão

Matias Santiago: Coordenador de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia. Aroldo Fernandes: Mestre em Artes Cênicas pela UFBA. Pesquisa Teorias da Performance e questões de gênero e sexualidade. Bacharel no curso de Dançarino Profissional e Licenciatura em Dança pela UFBA. É professor da UESB e coordenador do curso de Licenciatura em Dança. É diretor artístico do HIS – Contemporâneo de dança.

Aroldo Fernandes: Mestre em Artes Cênicas pela UFBA. Pesquisa Teorias da Performance e questões de gênero e sexualidade. Bacharel no curso de Dançarino Profissional e Licenciatura em Dança pela UFBA. É professor da UESB e coordenador do curso de Licenciatura em Dança. É diretor artístico do HIS – Contemporâneo de dança.

Cristiano Santana: Membro do Conselho de Cultura de Juazeiro, Titular de Dança. Sua formação passa por balé clássico, dança contemporânea e intervenção urbana.

Denise Stutz: Uma das fundadoras, em 1975, do Grupo Corpo. Desde 2003, desenvolve seu próprio trabalho solo, apresentando-se em diversos países. Entre seus trabalhos, também estão coreografias para programas de TV.

Dudude [Maria de Lourdes Tavares Herrmann]: Bailarina, improvisadora, coreógrafa, diretora de espetáculos, preparadora corporal e professora de dança. Estuda e trabalha desde a década de 1970 a pedagogia de ensino da dança contemporânea e a linguagem da improvisação em dança.

Jacson do Espírito Santo: Artista da dança, graduando do curso Bacharelado Interdisciplinar em Artes, da UFBA. Bolsista CNPq de Iniciação Científica. Pesquisador e dançarino do Grupo de Pesquisa Poéticas Tecnológicas: Corpoaudiovisual. Pesquisa a estética sobre a poética tecnológica na dança.

Leda Ornelas: Graduada em Dança pela UFBA, é arte-educadora. Coordenou e coreografou o Núcleo de Estudo Dança Afro-brasileira/Odundê, durante 22anos. Coordena o Coletivo de Profissionais de Dança de Matriz Africana da Bahia.




Números do Edital de Dança:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 115 56 48,7% 59 51,3%
Projetos Selecionados 17 9 52,9% 8 47,1%

Demanda Espontânea

O Edital Demanda Espontânea apoia propostas culturais que não se enquadram em qualquer dos editais lançados pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia - SECULTBA e suas entidades vinculadas, no mesmo ano civil.

Valor global: R$ 1 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 300 mil



Seleção

Da mesma forma que nos anos anteriores, foram inscritas muitas propostas que deveriam estar concorrendo nos demais editais da Secult-Ba, e por isso não estariam aptas a concorrer na Demanda Espontânea. Verificou-se também propostas de outros campos (meio ambiente, saúde, ação social), em que a questão cultural estava inserida de forma acessória, e não em diálogo com estas áreas.

Entre as propostas selecionadas, predominou iniciativas de intercâmbio e difusão, como festivais e mostras multilinguagens. Dos 8 projetos apoiados, 4 deles serão realizados em Salvador e os demais em outros territórios.



Conheça a Comissão

Antonito Pina Medrado Neto: Graduado em Ciências Contábeis pela UCSal/BA e pós-graduado em Contabilidade pela UFBA/SENAC, em Administração tributária pela UESB, em Direito Tributário pela UFBA e em Gestão Tributária pela UNIFACS. Servidor da Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia desde agosto de 1982, atualmente, Agente de Tributos Estaduais exercendo, desde 1999, o cargo de Assessor do Gabinete do Secretário. Representante da Secretaria da Fazenda no Fazcultura e Fundo de Cultura.

Carlos Paiva: Formado em Produção Cultural pela UFBA, especialista em Educação Estética Semiótica e Cultura, trabalha desde 1997 em gestão cultural tendo atuado como coordenador de produção nas áreas de música, artes cênicas, artes visuais e cinema. Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Estado da Bahia, chefiou o gabinete da Secretaria de Cultura de 2007 a 2008 e atualmente dirige a Superintendência de Promoção Cultural, responsável pela área de fomento, economia da cultura e informações culturais do Estado da Bahia.

Carlos Santos de Carvalho: Cantor e compositor baiano, com longa atuação na vida cultural do estado e do Brasil. Compositor premiado, autor de trilhas e para vídeos e cinema, já participou de eventos e festivais internacionais (Barcelona, Paris, Lyon), integrando também coletâneas de música brasileira para o mercado internacional.

Luiz Augusto Nascimento Viva: Arquiteto e Arqueólogo, graduado pela UNISANTOS com mestrado em Ciências Sociais pela UFBA, tem experiência na coordenação de programas de pesquisa na área do Patrimônio Cultural. Atualmente atua como Diretor de Preservação do Patrimônio Cultural no Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia - IPAC.

Marco Aurélio Schommer: escritor, roteirista, revisor e pesquisador em História. Também é membro titular e vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura e do Conselho Curador da Funceb. É autor dos livros Memórias de um golpista (2007), Maristela – pura e infiel (2007), Dicionário de fetiches (2008), Mulheres que fazem sexo (2008), Clube da Honra (2010), Cor & Fé – uma história da África no Brasil (2010), História do Brasil vira-lata (2012), História pessoal (2013) e Ilhéus – a gema do Brasil (2013). É idealizador e curador da Flica – Festa Literária Internacional de Cachoeira. É diretor e ex-presidente da Câmara Bahiana do Livro.

Matias Santiago: Professor, bailarino e coreógrafo. É técnico em dança formado pela Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia. Trabalhou com diversas companhias, no Brasil e nos Estados Unidos. Participou como membro do Fórum de Dança da Bahia, Frente de Descentralização da Dança na Bahia e da mostra Tabuleiro da Dança. Atualmente, é graduando em Dança pela UFBA. Foi coordenador dos Cursos Livres da Escola de Dança da FUNCEB por cinco anos, até assumir a Coordenação de Dança da instituição, em dezembro de 2011.

Normelita Oliveira da Silva: Mestranda em Desenvolvimento e Gestão Social através da Universidade Federal da Bahia-UFBA. Conselheira Estadual de Cultura da Bahia. Gestora Cultural com formação através do MinC. Professora, atriz e ex -presidente da Associação dos Dirigentes Municipais de Cultura da Bahia.

Verônica Aquino Ribeiro: Advogada, produtora, especialista em Política, Gestão e Produção Cultural pela UFBA, integra a equipe da Superintendência de Promoção Cultura - Suprocult, da Secult/BA) como diretora de Fomento à Cultura desde abril de 2011.




Números do Edital de Demanda Espontânea:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 247 97 29,3% 150 60,7%
Projetos Inscritos 194 82 42,3% 112 57,7%
Projetos Selecionados 8 5 62,5% 3 37,5%

Dinamização de Espaços Culturais

Apoia propostas de Dinamização de Espaços Culturais, públicos ou privados, do estado da Bahia, através de proposição de uma programação regular durante um período mínimo de seis meses e máximo de um ano, envolvendo atividades mensais de formação e difusão das diversas expressões culturais, buscando ampliar o impacto do espaço junto à comunidade local, fomentar o acesso e a formação de público para a cultura..

Valor Global: R$ 1,5 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 100 mil



Seleção

Em 2014, houve um aumento significativo do número de propostas para este edital. Na análise de mérito, foram avaliadas 27 propostas, dez a mais que as 17 apresentadas em 2013. Foram selecionados 17 projetos de 12 Territórios de Identidade diferentes, dobrando o número de territórios atendidos em relação ao ano anterior e atingindo uma das metas da diretoria, que era ampliar a atuação nos TIs do estado.

Os projetos submetidos à análise apresentaram uma diversidade de linguagens nas propostas de dinamização. Em sua maioria, conseguiram abranger ações de formação e difusão na dinamização do espaço cultural, com destaque para as ações de formação, que foram predominantes no rol das propostas. Outro traço significativo foi a valorização das produções locais e do território. Algumas propostas contemplaram ações de mobilização de público e artistas para além das cidades de localização dos espaços.


Conheça a Comissão

Carmen Lúcia Castro Lima (Coordenadora): Diretora de Economia da Cultura da SecultBA, professora adjunta da Universidade do Estado da Bahia e professora assistente da Universidade Católica do Salvador. Atua, principalmente, nos seguintes temas: Economia da Cultura, Economia Criativa, Arranjos Produtivos Locais e Redes Sociais em Cultura e Setor Audiovisual.

Edgar Andrade: Sócio do Hubcriativo, empresa especializada em identificar e desenvolver soluções inovadoras, integrando diversos segmentos da Economia Criativa. É consultor de políticas públicas para o setor.

Luana Vitus: Graduada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e mestre em Cultura, Educação e Organização Social pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Números do Edital de Dinamização de Espaços Culturais:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 60 17 28,33% 43 71,67%
Projetos Inscritos 27 8 29,63% 19 70,37%
Projetos Selecionados 17 4 23,53% 13 76,47%

Economia Criativa

O Edital de Economia Criativa fomenta iniciativas que contribuam para o desenvolvimento da dimensão econômica da cultura nas suas diferentes etapas dos ciclos de criação, produção, circulação, distribuição, consumo e fruição de bens e serviços criativos. Dessa forma, não trabalha com uma linguagem específica. Abrange projetos de qualquer setor da cultura, cujo cerne seja a dimensão econômica, apresentando novas formas e modelos de produção, distribuição ou circulação de bens culturais.

Valor Global: R$ 600 mil
Teto de apoio por proposta: R$ 100 mil



Seleção

Por se tratar de um tema ainda novo e desconhecido por muitos, houve predominância de projetos com ações pontuais e de baixo efeito multiplicador, distanciando-se, deste modo, da proposta do Edital. Vale destacar que embora tenha havido um grande número de inscrições na área de artesanato (21), de modo geral estes projetos não apresentaram aderência à proposta do Edital, tendo em vista que foram voltados primordialmente para formação.

Além dos critérios estabelecidos no Edital, a avaliação da Comissão considerou a territorialidade como um critério de desempate. Dessa forma, cinco territórios de identidade tiveram propostas selecionadas para executar atividades na área da Economia Criativa: Metropolitano de Salvador, Recôncavo, Portal do Sertão, Litoral Sul e Chapada Diamantina. Cerca de 50% das propostas inscritas são oriundas do território Metropolitano de Salvador.


Conheça a Comissão

Carmen Lúcia Castro Lima (Coordenadora): Diretora de Economia da Cultura da SecultBA, professora adjunta da Universidade do Estado da Bahia e professora assistente da Universidade Católica do Salvador. Atua, principalmente, nos seguintes temas: Economia da Cultura, Economia Criativa, Arranjos Produtivos Locais e Redes Sociais em Cultura e Setor Audiovisual.

Edgar Andrade: Sócio do Hubcriativo, empresa especializada em identificar e desenvolver soluções inovadoras, integrando diversos segmentos da Economia Criativa. É consultor de políticas públicas para o setor.

Luana Vitus: Graduada em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e mestre em Cultura, Educação e Organização Social pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Números do Edital de Economia Criativa:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 76 29 38,16% 47 61,84%
Projetos Inscritos 63 28 44,44% 35 55,56%
Projetos Selecionados 8 4 50,00% 4 50,00%

Formação e Qualificação em Cultura

Apoia propostas que contemplem uma ou mais ações de formação e qualificação em cultura com diferentes cargas horárias - cursos de especialização, extensão e cursos livres - e sobre temáticas específicas, dentro das áreas de atuação definidas no Anexo IV do Edital.

Valor Global: R$ 2 milhões
Teto de apoio por proposta: R$ 250 mil (categoria 1) e R$ 100 mil (categoria 2)



Seleção
O Edital de Formação e Qualificação em Cultura disponibilizou mais de R$ 1,5 milhão para 16 projetos de formação e qualificação em cultura. Os projetos receberão valores entre R$ 47 mil e R$ 249 mil e operam em áreas muito distintas, como a formação de técnicos da cultura, música, artes visuais, conservação e restauro; acessibilidade no campo da cultura; agentes culturais; política e gestão da cultura; educação patrimonial e economia criativa.

A maior parte dos projetos aprovados é de proponentes do interior da Bahia, distribuídos em nove Territórios de Identidade: Costa do Descobrimento, Chapada Diamantina, Piemonte da Diamantina, Piemonte do Paraguaçu, Portal do Sertão, Recôncavo, RMS, Sertão de São Francisco, Vitória da Conquista. Destaca-se a boa qualidade e diversidade das propostas apresentadas, além do aumento da participação de instituições públicas municipais. Apesar disso, houve diminuição do número de projetos inscritos, o que, no entanto, abarcou projetos mais baratos e com mais contrapartida das instituições.



Conheça a Comissão

Adriana Facina Gurgel do Amaral: Graduada em História pela Universidade Federal Fluminense, mestre em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro, com pós-doutorado pela mesma instituição.

Andréa Pereira da Silva: Atuou como Coordenadora da Diretoria de Formação Inicial e Continuada da Superintendência de Educação Profissional, na Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Atualmente, é Coordenadora Técnica de Políticas Sociais na Secretaria de Planejamento do Estado da Bahia.

Antonito Pina Medrado Neto: Graduado em Ciências Contábeis pela UCSal e pós-graduado em Contabilidade pela UFBA/SENAC, em Administração Tributária pela UESB, em Direito Tributário pela UFBA e em Gestão Tributária pela UNIFACS.

Laura Bezerra (Coordenadora): Doutora em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia. Possui graduação em Direção Teatral pela UFBA e mestrado em Literatura e Ciência da Mídia (Universität Trier, Alemanha). Ocupa, atualmente, o cargo de Assessora de Formação em Cultura na Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Lia Calabre de Azevedo: Possui doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente, é pesquisadora e chefe do Setor de Estudos de Política Cultural da Fundação Casa de Rui Barbosa. Foi uma das consultoras do Plano Nacional de Formação em Gestão Cultural do Ministério da Cultura.




Números do Edital de Formação e Qualificação em Cultura:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 37 13 35,14% 24 64,86%
Projetos Inscritos 27 11 40,74% 16 59,26%
Projetos Selecionados 16 7 43,75% 9 56,25%

Literatura

O Edital Setorial de Literatura apoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos, tendo como objeto predominante aliteratura. Abrange, por exemplo, criação literária; atividades ou ações que tenham como característica o estímulo à aproximação do público com escritores; circulação (regional e/ou nacional) de autores baianos; interações artístico-literárias (intervenções urbanas, ações coletivas, performances, instalações, entre outras); formação e/ou qualificação para artistas, técnicos e agentes da área; realização de seminários, fóruns, palestras, feiras ou atividades do gênero sobre literatura e suas interfaces; publicação de obras inéditas de autores baianos (poesia, conto, cordel, romance, história em quadrinhos, literatura infantojuvenil, literatura com estética considerada periférica em qualquer gênero); reedição de livros esgotados de autores baianos; pesquisa artística e crítica sobre literatura e suas interfaces, sua memória, acervos e/ou sobre as tradições literárias populares; publicação de periódicos ou revistas que tenham como foco a literatura; entre outras possibilidades.

Valor global: R$ 700.000,00
Teto de apoio por proposta: R$ 100.000,00



Seleção
Para o Edital de Literatura, foram disponibilizados R$ 700 para projetos de até R$ 100 mil. Contabilizaram-se 173 propostas inscritas, 12% a mais que a edição de 2013. Na avaliação, 18 foram selecionadas. São projetos de Ilhéus (Litoral Sul), Irecê (Irecê), Jacobina (Piemonte da Diamantina), Maracás (Vale do Jiquiriçá), Salvador (Metropolitano de Salvador), São Félix (Recôncavo) e Valente (Sisal). Dezesseis projetos ficaram como suplentes.A diversidade dos projetos alcançou toda a cadeia produtiva da área.



Conheça a Comissão

Milena Britto: Coordenadora de Literatura da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Ana Lígia Leite e Aguiar: Professora de Literatura Brasileira na UFBA. Graduada em Letras pela Universidade Federal de Uberlândia, mestre em Letras e Linguística pela UFBA e doutora em Letras pela UFBA. Atua com ênfase em Teoria Literária, Literatura Brasileira, Literatura e Cinema, Crítica Biográfica, Literatura Comparada e Ensino a Distância.

Carla Patricia: Doutora em Letras e Linguística, mestre em Literatura, bacharel em Letras e graduada em Licenciatura em Letras, todos pela UFBA. É professora da UNEB. Atua com ênfase em literatura e cultura na Bahia, crítica literária brasileira, Literatura baiana, Literatura e gênero, Pesquisa de fontes primárias.

Conceição Evaristo: Doutora em Letras (Literatura Comparada) pela UFF. Mestre em Letras pela PUC. Graduada em Letras pela UFRJ. Atua nas áreas de Literatura e Educação, com ênfase em gênero e etnia. Assessora e consultora em assuntos afro-brasileiros para pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Poetisa, romancista e ensaísta.

Daniel Munduruku: Escritor indígena premiado, com 45 livros publicados, graduado em Filosofia, licenciado em História e Psicologia. Doutor em Educação pela USP. Atualmente faz pós-doutorado em Literatura na Universidade Federal de São Carlos. Diretor presidente do Instituto UKA – Casados Saberes Ancestrais.Comendador da Ordem do Mérito Cultural da Presidência da República desde 2008 e 2013, na ordem da Grã-Cruz.

Jorge Carrano: Escritor, poeta e publicitário, tem formação em produção e direção de Cinema, Televisão e RTV. Coordena o projeto Fala Escritor e a União Baiana de Escritores. Conselheiro eleito do Conselho Estadual de Cultura da Bahia.

Noemi Jaffe: Escritora, doutora em Literatura Brasileira pela USP, professora e crítica literária. Dá aulas de Escrita Criativa na Casa do Saber e no Curso de Formação de Escritores do Instituto Vera Cruz. Colabora regularmente com os jornais Folha de S.Paulo e Valor Econômico.




Números do Edital de Literatura:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 173 93 53,8% 80 46,2%
Projetos Selecionados 18 12 66,7% 6 33,3%

Museus

Este edital visa apoiar propostas culturais na área de museus, que tenham como objetivo a preservação, valorização, pesquisa, inventário, difusão, dinamização, qualificação da gestão e formação. Puderam participar pessoas jurídicas que tenham dentre suas finalidades legais o exercício de atividades na área cultural ou pessoas físicas, maiores de 18 anos.

Valor global: R$ R$ 1 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 100 mil



Seleção
Os projetos selecionados tiveram como característica uma grande diversidade em seus eixos de atuação. As propostas voltadas para a preservação e difusão do patrimônio museológico têm como ações: a organização e realização de exposições, difusão de acervos através de documentário e vídeos, publicação de pesquisas, elaboração de plano museológico, Informatização de acervo, restauro de acervo, construção de plano museológico, ações educativas, entre outras. Serão apoiados projetos de médio e grande porte, tendo em vista os recursos destinados para o edital.

Observa-se que a maioria das propostas apresentadas no certame, trata de ações técnicas e estruturantes, seguem as Diretrizes da Secult de Crescimento da Economia da Cultura e Fortalecimento da institucionalidade cultural e com os Eixos da Política Setorial de Museus elaborada pela Diretoria de Museus, do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia. Como um instrumento democrático, a descentralização esteve presente na seleção das propostas. Além da capital (Salvador), acontecerão ações nos seguintes Territórios Identidade: Sertão do São Francisco, Sisal, Recôncavo, Litoral Sul e Médio Rio de Contas.



Conheça a Comissão

Átila Bezerra Tolentino: Graduado em Letras Português pela Universidade de Brasília - UnB, com especialização em políticas públicas e gestão governamental pela Escola Nacional de Administração Pública e em gestão de políticas públicas de cultura pela UnB. É da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com atuação no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ministério da Cultura.

Maria das Graças de Souza Teixeira: Possui graduação em Museologia pela Universidade Federal da Bahia (1993), mestrado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia (1999), doutorado em História pela Universidade Federal da Bahia (2007) e pós-Doutorado em História pela Universidade Lusófona de Humanidades e Artes (Lisboa). Atualmente é professora adjunto II da Universidade Federal da Bahia, coordenadora do Museu Afro-Brasileiro/ FFCH/CEAO/UFBA.

Ana Cristina Dias Coelho: Mestranda no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia - Ufba. Possui graduação em Museologia pela Universidade Ufba (2002), foi coordenadora do Núcleo Sistema de Museus e diretora em exercício dos museus Abelardo Rodrigues e Udo Knoff da Diretoria de Museus - DIMUS/IPAC. Atualmente é coordenadora do Núcleo de Editais e Projetos da DIMUS.

Números do Edital de Museus:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 33 17 52% 16 48%
Projetos Inscritos 22 11 550% 11 50%
Projetos Selecionados 11 06 55% 05 45%

Música

O Edital Setorial de Música apoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos e áreas do conhecimento, tendo como objeto predominante a música. Abrange, por exemplo, circulação de shows e concertos (regional e/ou nacional); criação, produção e difusão de registros musicais, com lançamento em formatos de CD, vinil, programas de rádio ou internet (sites, blogs ou podcasts); criação, produção e difusão de registros musicais em audiovisual, com lançamento em formatos de DVD, videoclipe, programas de TV, programas para webtv ou vídeo para a internet; formação e/ou qualificação para artistas, técnicos e agentes da área; elaboração e difusão de conteúdos didáticos em música; pesquisa artística e crítica sobre música e suas interfaces, sua memória, acervos e/ou sobre as tradições musicais populares; atividades continuadas de bandas instrumentais, orquestras, corais e grupos de tradições musicais populares; realização de seminários, fóruns ou palestras sobre música e suas interfaces; festivais, mostras, feiras e atividades do gênero; publicação de periódicos ou revistas que tenham como foco a música; entre outras possibilidades

Valor global: R$ R$ 1,5 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 200 mil



Seleção
Dentro do aporte total de R$ 1,5 milhão, as propostas deviam ser apresentadas com teto de R$ 200 mil. Foram 384 inscritas e 25 selecionadas. Há projetos de Cachoeira e Maragojipe (ambas do Recôncavo), Caetité (Serão Produtivo), Conceição do Coité (Sisal), Feira de Santana (Portal do Sertão), Iramaia e Lençóis (Chapada Diamantina), Poções e Vitória da Conquista (Vitória da Conquista), Salvador (Metropolitano de Salvador) e Várzea da Roça (Bacia do Jacuípe). A lista de suplentes contabiliza 18 projetos. Diante de tamanha concorrência, número que se registra ano a ano para o setorial de Música, o processo de seleção foi bastante rigoroso. Para se ter ideia, a verba demandada pelo somatório de propostas inscritas é da ordem de R$ 30 milhões, com quase metade das propostas sendo oriundas do interior. O aporte de R$ 1,5 milhão disponível claramente não comporta a demanda, mas nem por isso a seleção se torna insignificante.

Foram 12 dias de trabalho intenso em reuniões diárias da comissão, após um mês de pesquisa prévia. O resultado obtido reflete não só este processo de seleção atencioso, mas principalmente a multiplicidade de segmentos da música na Bahia que vem demandando apoio do Estado.

A composição da comissão foi fundamental para delinear melhor este panorama, já que cada membro foi escolhido por representar, de certa forma, um segmento importante. O grupo, tão diverso e completo, observou principalmente os critérios de territorialidade e descentralização dos recursos, e permitiu adquirir segurança total na definição do resultado final e da importância deste para a música na Bahia



Conheça a Comissão

Cassio Nobre: Coordenador de Música da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Gilmar Dantas: Produtor cultural desde 2003, um dos coordenadores da Casa Fora do Eixo Vitória da Conquista, no qual atua na articulação política e na circulação de artistas. Integra o Colegiado Setorial de Música da Bahia e é presidente do Conselho Municipal de Cultura de Vitória da Conquista. Licenciado em Letras pela Uesb.

Laila Rosa: Musicista, compositora, cantora e etnomusicóloga, toca violino, rabeca e tem se aventurado pela guitarra baiana. Tocou e gravou com diversas orquestras, grupos camerísticos e artistas de Recife, Salvador e Nova York, onde morou por um ano. É professora da Escola de Música da UFBA, doutora em etnomusicologia pela UFBA.

Manuela Rodrigues: Cantora, compositora e preparadora vocal, com dois discos lançados e em processo de criação do terceiro. É formada em Canto Lírico pela UFBA e estudou com bolsas de estudos na UNO em New Orleans (EUA). É artista de destaque da cena independente baiana, tendo sido reconhecida nos principais prêmios locais.

Maurílio “Kuru” Lima: Pós-graduado em gestão cultural, consultor e curador na área musical, é um dos fundadores e gestor do Fórum da Música de Minas Gerais e representante do setor musical na Lei de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. Atua na elaboração de projetos de políticas culturais e formatação de editais públicos e privados. Fundador da produtora Cria! Cultura, responsável pela gestão do Conexão Vivo. Fundador do selo + Brasil Música.

Olivia Roberta: Coordenadora de Pesquisa, Cursos e Eventos da ASSEBA. Coordenadora de Cultura Popular de Irará. Já participou de diversas fanfarras e da coordenação de eventos musicais. Atua com grupos musicais populares de samba, forró, percussão e sopro.

Rosildo Rosário: Professor graduado em Pedagogia pela UEFS, com especialidade em História e Cultura Afro-brasileira. Foi secretário de Educação do Município de Saubara e coordenador de Cultura do Município de Santo Amaro. De 2007 a 2010, foi coordenador geral da Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia.

Números do Edital de Música:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 384 211 55% 173 45%
Projetos Selecionados 25 14 56% 11 44%

Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo

O Edital de Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo apoia propostas culturais nas áreas de Patrimônio Cultural (material e imaterial), Sítios Arqueológicos e Arquitetura e Urbanismo que tenham como objetivo a preservação, salvaguarda, restauração, valorização, pesquisa, inventário, difusão, dinamização, formação e educação patrimonial. No caso de propostas nas áreas de Arquitetura e Urbanismo, o objeto deve integrar poligonais de salvaguarda patrimonial decretadas pela União, pelo Estado ou pelo Município.

Valor global: R$ R$ 1,2 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 150 mil



Seleção
Foram enviadas 55 propostas ao todo. Destas, 50 foram consideradas inscritas e 12 foram aprovadas. Entre os projetos contemplados, 41,7% serão realizados no Território Metropolitano de Salvador e 58,3% em municípios do Recôncavo, Chapada Diamantina, Semiárido Nordeste II e Bacia do Jacuípe. A maioria é de propostas de grande porte (com valor apoiado acima de R$ 100 mil).

Todos os projetos aprovados têm Memória e Preservação como natureza principal, utilizando, para isso, mecanismos como Pesquisa (5), Difusão (4), Formação (2) e Criação (1), o que inclui realização de oficinas, registros audiovisuais e fotográficos, criação de sites para divulgação de conhecimentos, organização e digitalização de documentos antigos, elaboração de projetos de requalificação, publicação de livros, recuperação de bens tombados pelo Estado e exposições.



Conheça a Comissão

Ademir Ribeiro Junior: Arqueólogo do IPHAN em Sergipe e professor da Faculdade São Bento da Bahia. Graduado em Licenciatura em História e mestre em Arqueologia, ambos os títulos pela Universidade de São Paulo (USP). Ligia Bellini: Possui graduação em História pela Universidade Federal da Bahia (1982), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1987) e doutorado em História pela Universidade de Essex, Reino Unido (1992). É professora da Universidade Federal da Bahia. Manuella Araujo de Souza: Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará (2010) e mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (2012). Atualmente, é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFBA.

Números do Edital de Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo :


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 55 18 32,7% 37 67,3%
Projetos Inscritos 50 16 32% 34 68%
Projetos Selecionados 12 5 41,7% 7 58,3%

Publicação de Livros por Editoras Baianas

O Edital nº. 13/2013 – Apoio à Publicação de Livros por Editoras Baianas tem como objeto apoiar propostas de edição de livro individual ou coleção (quatro volumes, no mínimo) de autores baianos, cuja temática seja a cultura baiana em suas diversas expressões: cultura negra, cultura sertaneja, literatura (ficção e poesia), folclore, história da Bahia, biografias de personagens ilustres, literatura popular, fotografia, cultura praieira e quadrinhos, etc.. Poderão concorrer propostas de publicação de obras inéditas, raras e/ou valiosas.

Valor global: R$ R$ 700 mil
Teto de apoio por proposta: R$ 100 mil



Seleção
A maioria das propostas continuam sendo da região metropolitana. Os poucos projetos com proponentes do interior percebe-se um descompasso na elaboração e clareza da proposta de trabalho, o que nos evidencia de um lado o esforço dos produtores do interior participar e por outro a qualidade técnica dos projetos apresentados.

Um fato que mereceu a atenção da comissão é que dos 9 projetos aprovados, apenas um projetou a escrita criativa/ o texto com expressão da escrita como prática social, os outros associam-se ao mercado editorial, tendo obras esgotadas e raras do campo das humanidades e cultura africana e afro-brasileira como objeto e a escrita literária, ficção e poesia. A maioria dos projetos foi apresentada com objetivo de contemplar coleções, todos com qualidade profissional comprovada pela ficha técnica, a maioria com experiência. A conexão escritor / editor / gráfica fica evidente. No caso específico deste edital, o que se percebeu foi a presença de profissionais comuns em pelos menos três projetos.



Conheça a Comissão

João Vanderlei de Moares Junior: Professor, poeta, gestor cultural com experiência no poder público e terceiro setor. Compõe a Coordenação Executiva do Conselho Deliberativo do Plano Estadual do Livro e Leitura da Bahia e é vice-presidente do Conselho Municipal de Cultura de Cachoeira, onde representa o segmento do Livro, Leitura e Literatura. Graduou-se em Letras Vernáculas / Literatura Brasileira pelo Instituto de Letras da UFBA (2003) e é Mestre em Cultura e Sociedade pelo Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade doInstituto de Humanidade Artes e Ciências Milton Santos da UFBA. Atualmente é Diretor do Livro e da Leitura da Fundação Pedro Calmon / Secretaria de Cultura do Estado da Bahia

Lindinalva Amaro Barbosa: Possui Graduação em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Católica do Salvador (2002); e Mestrado em Estudo de Linguagens pelo Depto. de Ciências Humanas/Universidade do Estado da Bahia (2009). Atualmente é Técnica-Administrativa do Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura Negra - Religiões de Matriz Africana - História e Cultura Afro-Brasileira.

Rita Margarete Moreira Santos: Graduada em pedagogia pela Faculdade de educação da Bahia e Pós-Graduada em Leitura e Linguagem pela Universidade Estadual da Bahia. Participou de seminários internacionais e viagens para estudo organizadas pela Avante: Cerrando la Brecha: I Encuentro de Tutores Latinoamericanos en Línea - Projeto Zero Harvard Graduate School of Education organizado pela equipe da Red L@titud.Conference on Early Childhood Education - The Ontario Institute for Studies in Education of the University of Toronto (OISE/UT Canadá. Atua na equipe de consultoria da Avante desde 2000 e é a coordenadora do Projeto Direito de ser Leitor que tem como um dos resultados a Rede de Leirura EMredando Leituras - C&A / Avante

Números do Edital de Publicação de Livros por Editoras Baianas:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 20 14 70% 6 30%
Projetos Inscritos 9 8 88% 1 12%
Projetos Selecionados 9 8 - - -

Projetos Estratégicos em Cultura

Fomenta iniciativas preferencialmente de caráter multidisciplinar e intermunicipal, que contemplem ações culturais estruturantes com impactos sociais significativos, abarcando diferentes segmentos e momentos do fazer cultural, com foco no desenvolvimento cultural e que estejam sintonizadas com as diretrizes estratégicas da Secretaria de Cultura: consolidação de uma cultura cidadã, aprofundamento da territorialização da cultura, fortalecimento da institucionalidade cultural, ampliação dos diálogos interculturais, alargamento das transversalidades da cultura e crescimento da economia da cultura.

Valor global: R$ R$ 1,5 milhão
Teto de apoio por proposta: R$ 400 mil



Seleção
Para o edital de Projetos Estratégicos em Cultura, foram inscritas 57 propostas, sendo 12 oriundas dos seguintes Territórios de Identidade: Litoral Sul, Metropolitano de Salvador, Recôncavo e Médio Rio de Contas. Em geral, esses projetos têm envolvimento de vários municípios. Foi observado que houve uma recorrência de projetos com perfil de produtos – a exemplo de livros, DVDs, CDs, blogs e portais na WEB, ou de eventos (pontuais), muitos sem características estruturantes. Por isso, foi sugerida a inclusão de um tópico mais detalhado acerca da especificidade que se busca no edital: capacidade articuladora, caráter estratégico e estruturante no território/estado/país. Alguns territórios não foram contemplados na seleção por falta de propostas que os representassem.



Conheça a Comissão

Bernardo Machado: Responsável pela área de articulação institucional do Ministério da Cultura (MinC). Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (1985) e pesquisador Pleno da Fundação João Pinheiro, Brasil.

Jeane de Jesus Costa (Coordenadora): É assessora de relações Institucionais da SecultBA, graduada em Letras Vernáculas e Gestão Pública e Social pela UFBA, pós-graduada em Educação Ambiental Para Sustentabilidade Pela UEFS. Tem experiência em Coordenação de projetos Sociais em Cultura, Meio Ambiente e Associativismo.

José Roberto Severino: Professor adjunto da Universidade Federal da Bahia. Professor da disciplina Política da Cultura e da Comunicação, da Faculdade de Comunicação, e do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da UFBA. É pesquisador do Grupo de Estudos multidisciplinares em Cultura CULT e pesquisador associado do Diversitas Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos, da Universidade de São Paulo.



Números do Edital de Projetos Estratégicos em Cultura:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 76 29 38,16% 47 61,84%
Projetos Inscritos 63 28 44,44% 35 55,56%
Projetos Selecionados 9 3 33,3% 4 66,7%

Restauro e Digitalização de Aquivos

Edital nº. 14/2013 - Restauração e Digitalização de Acervos Arquivísticos Privados tem como objeto a seleção de propostas para apoiar a reestruturação e a digitalização de acervos arquivísticos privadosque permitam o acesso de seu acervo ao público em geral, abrangendo projetos de baixo, médio e alto orçamento.

Valor global: R$ R$ 300 mil
Teto de apoio por proposta: R$ 50 mil



Seleção

- Territorialidade

Nesta edição (2014) do Edital - Restauração e Digitalização de Acervos Arquivísticos Privados quanto à territorialidade das propostas apresentadas observou-se um aumento discreto do quantitativo de territórios: de 03 para 04 territórios.
A Região Metropolitana de Salvador - RMS se mantém como o território com maior quantitativo de propostas (13). Somam-se, ainda, a apresentação de propostas (05) de 03 territórios: Litoral Sul, Portal do Sertão e Recôncavo. Contudo, vale destacar que o quantitativo de propostas apresentadas por outros territórios que não a RMS, computou um crescimento de 02 para 05.


- Porte dos Projetos

Considerando o teto máximo de cada proposta R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais), o porte dos projetos se manteve. Contudo, devido ao aumento da totalidade do valor do Edital, de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) para R$ 300.000,00 (trezentos mil reais), houve uma pequena margem de ampliação de investimento em prol da preservação e acesso aos acervos arquivísticos privados, a disposição de consulta pública.



Conheça a Comissão:

Profa. Maria Teresa Navarro de Britto Matos: Graduada em História (1988) e especialista em Arquivologia (1989) pela Universidade Federal da Bahia; mestre em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Université de Montréal (1995), com concentração em Arquivologia; e doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2004). Atualmente é diretora do Arquivo Público do Estado da Bahia; membro suplente do Conselho Nacional de Arquivos, representando o segmento - Arquivos Públicos Estaduais; e membro da Seção Brasileira da Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental.

Fernanda Marcele Santana Lage Linhares: Possui graduação em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (2011).

Lúcia Maria Velloso de Oliveira: Doutora em Ciências - Área: História Social pela Universidade de São Paulo (2011). Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986), graduação em Arquivologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1992), mestrado em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e Universidade Federal Fluminense (2006). Preside a Associação dos Arquivistas Brasileiros. Chefe do Serviço de Arquivo Histórico e Institucional da Fundação Casa de Rui Barbosa, desde 2002.

Números do Edital de Restauro e Digitalização de Aquivos:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 18 13 73% 5 17%
Projetos Inscritos 15 12 80% 3 20%
Projetos Selecionados 6 5 83% 1 17%

Teatro

O Edital Setorial de Teatroapoia propostas culturais com o objetivo de estimular os diversos elos da rede produtiva do setor e ações que dialoguem com outros segmentos, tendo como objeto predominante o teatro. Abrange, por exemplo, criação e/ou circulação regional e/ou nacional de espetáculos; manutenção de temporada de espetáculos; criação e apresentação em formatos e/ou em espaços alternativos (esquetes, stand up, espaço público, coletivos etc.); atividades continuadas de grupos artísticos; qualificação e capacitação para artistas, técnicos e agentes da área; criação de textos dramatúrgicos; publicação ou reedição de livros, catálogos e revistas especializados; pesquisa artística e crítica sobre teatro e suas interfaces; criação e manutenção de sites; constituição, manutenção, digitalização, restauração e/ou difusão de acervos da área; realização de seminários, fóruns, palestras sobre teatro e suas interfaces; festivais, mostras e atividades do gênero; entre outras possibilidades.

Valor global: R$ R$ 2 milhões
Teto de apoio por proposta: R$ 200 mil



Seleção

Com aporte total de R$ 2 milhões e teto de R$ 200 mil, o Edital Setorial de Teatro teve 189 propostas inscritas. Destas, 22 foram selecionadas, com projetos que vêm de Boa Vista do Tupim (Piemonte do Paraguaçu), Governador Mangabeira (Recôncavo), Irará (Portal do Sertão), Jequié (Médio Rio de Contas), Lauro de Freitas e Salvador (Metropolitano de Salvador), Morro do Chapéu e Seabra (ambas da Chapada Diamantina) e São Domingos (Sisal) . A lista de suplentes ficou com 21 projetos. Em relação a 2013, o Setorial de Teatro teve uma diminuição no número de inscrições, mas a demanda do setor continua crescente e pode ser sentida nos editais de apoio a Grupos e Coletivos Culturais e Territórios Culturais, para citar alguns. Propostas relevantes para o teatro da Bahia ainda são contempladas nos editais de Culturas Identitárias, Formação, Estratégicos em Cultura etc.
A comissão pôde observar uma grande demanda de projetos realizados em rede, parcerias e em colaboração entre grupos e coletivos distintos. Estes projetos se sobressaíram pela capacidade estruturante, perfil multiplicador, inovação na trajetória dos agentes envolvidos, criatividade e viabilidade orçamentária.Houve também um aumento quantitativo de projetos de festivais, assim como os de formação, que se destacaram em distintos territórios.A comissão também notou que muitos projetos com proponentes oriundos de Salvador são de artistas/produtores do interior e serão realizados em municípios distintos.



Conheça a Comissão:

Maria Marighella: Coordenadora de Teatro da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Jessé Oliveira: Diretor, produtor, ator, iluminador, dirige o Grupo Caixa-Preta. Formado em Direção Teatral pela UFRGS, onde cursou Especialização em Teoria do Teatro Contemporâneo. É professor e coordenador do Curso de Produção Cênica da Faculdade Monteiro Lobato – FATO. Autor do livro Memória do Teatro de Rua em Porto Alegre, é um reconhecido pesquisador do teatro de rua no Brasil e América Latina.

Luiz Bertipaglia: Jornalista, ator, diretor e produtor de teatro; desde 2003, é diretor artístico e geral do Festival Internacional de Londrina (FILO). Também é um dos representantes do Núcleo dos Festivais Internacionais de Artes Cênicas do Brasil.

Marcelo Bones: Diretor, ator, professor e gestor na área teatral. Graduado em Ciências Sociais pela UFMG. Fundador e diretor do Grupo Teatro Andante de Belo Horizonte desde 1990. Dirigiu também espetáculos de outros importantes grupos teatrais. De 2009 a 2011, foi Diretor de Artes Cênicas da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

Pawlo Cidade: Presidente do Conselho Municipal de Cultura de Ilhéus, dramaturgo, diretor de teatro, secretário geral da Academia de Letras de Ilhéus e presidente do Colegiado Setorial de Teatro da Bahia. Escritor com 12 livros publicados, quatro na área teatral; especialista em gestão cultural e projetos culturais pela FGV e MinC.

Renata Lemes: Atriz e diretora, mestre em Artes Cênicas pela Unicamp. Em 2003, fundou a Cia. do Miolo e vem pesquisando o teatro de rua, a formação do ator e a cena teatral no espaço urbano. Desenvolve projetos de pesquisa, formação, intercâmbios e criação voltados para o teatro de grupo na experiência dos espaços alternativos.

Sérgio Farias: Ator, com formação em Teatro e Dança, realizou espetáculos com direção de José Possi Neto, Carmen Paternostro, DeolindoCheccucci, Ivaldo Bertazzo, Luiz Antônio Martinez Correa, dentre outros. É Mestre em Educação pela UFBA e Doutor em Artes/Teatro pela USP. Realizou estágio Pós-Doutoral em Performance e Cultura Popular na Universidade de Paris/Nanterre, França. É professor da UFBA e assessor da Reitoria da Universidade Federal do Oeste da Bahia, nas áreas de Cultura e Arte.

Números do Edital de Teatro:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Inscritos 189 110 58,2% 79 41,8%
Projetos Selecionados 22 14 63,6% 8 36,4%

Territórios Culturais

Apoia propostas de cooperação e intercâmbio culturais entre os municípios de um mesmo Território de Identidade, sendo exigida a participação de, no mínimo, 03 (três) municípios. A cooperação e o intercâmbio poderão ocorrer entre mestres, artistas, agentes, produtores, espaços culturais, comunidades e grupos culturais, pontos de cultura, instituições e entidades culturais, instituições de ensino, entre outros.

Valor global: R$ R$ 2 milhões
Teto de apoio por proposta: R$ 50 mil e R$95mil



Seleção

O edital Territórios Culturais tem como objetivo apoiar projetos que promovam cooperação e intercâmbio culturais entre os municípios de um mesmo Território de Identidade. Neste ano, foram 30 projetos aprovados, com valor de até R$ 60.000,00, além de quatro com valor de R$ 95.000,00. Foram atingidos 23 Territórios de Identidade - do total de 27, sendo uma evolução de 22% em relação à ultima edição do edital.



Conheça a Comissão:

Acácia Batista: Doutora em Ciências Sociais (UERJ), professora Adjunta de Sociologia da UEFS e professora do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Territorial (UEFS).

Cléber Eduão: Mestrando em Educação no Campo (UFRB), foi representante territorial de cultura no Velho Chico e coordenador macro-territorial do Centro-Oeste da Bahia.

Elissandro Magalhães (Coordenador): Diretor de Territorialização da Cultura da SecultBA, foi articulador cultural da SecultBA para a II Conferência Estadual de Cultura em 2007 e é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (UFBA).

Iêda Marques: Fotógrafa, ambientalista e ativista cultural. Desenvolve atividades culturais na Chapada Diamantina e foi Diretora do Parque Nacional da Chapada Diamantina. Autora do livro "Lembranceiras, Imaginário e Realidade", publicado pela Solisluna em 2012.

Thasla Souza: Coordenadora Administrativa da Diretoria de Territorialização da Cultura, foi secretária municipal de Assistência Social de Conceição do Almeida.

Números do Edital de Territórios Culturais:


(Dados por origem do proponente)
Total Salvador Outras Cidades
% %
Projetos Apresentados 138 22 15,94% 116 84,06%
Projetos Inscritos 113 16 14,16% 97 85,84%
Projetos Selecionados 34 5 14,71%% 29 76,47%